quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Kibe de proteína de soja

Vai ser tão rápido e fácil preparar esse kibe de proteína vegetal, que eu proponho uma refeição completa com toque árabe. Tabule bem fresquinho, cheio de fibras e ervas frescas, e uma salada libanesa de beterraba com cebolinha.

Beterraba eu escolhi de propósito porque me revolta o modo como é preparada essa raiz tão energética e de cor linda. Beterraba, crua, ok, mas se for cozida, por que servir sem qualquer tempero? Em casa ou nos restaurantes por quilo, a beterraba está sempre lá, do mesmo jeitinho – cozida, molenga ou dura, fatiada em rodelas, sem sal, sem nada….

Quando era criança, cansei de ouvir minha mãe dizendo que a betrraba era ótima para saúde,  riquíssima  em ferro, potássio, sódio, fósforo, cálcio, zinco e manganês, além de vitamina A, B1, B2, B5, C e todas essas coisas que a mães falam – será que todas são nutricionistas na nossa infância? Mas de verdade eu não me animava a comer beterraba gelada temperada só com sal e nem isso. Então, acho que o espaço é merecido.

Imagem do blog http://cozinhavegetariana.blogspot.comKibe de proteína de soja

Ingredientes:
1 xícara (chá) de proteína texturizada de soja, hidratada de acordo com as orientações do post Como preparar proteína de soja.
1 xícara (chá) de trigo para quibe, hidratado com 2 xícaras (chá) de água. Basta cobrir o trigo com a água, aguardar cerca de 15 minutos e espremer numa peneira bem fina, ou num guardanapo.

Misture a soja e o trigo hidratados e acrescente:
1 cebola bem picadinha ou ralada
3 colheres (sopa) de cada uma dessas ervas frescas – hortelã, cebolinha e salsinha
1 colher (sopa) de molho de soja/shoyu
1 colher (sopa) de azeite
1 ovo orgânico
Sal marinho a gosto
1 pitada de cada um dos temperos – cominho em pó, canela em pó, pimenta-do-reino e noz-moscada ralada. Este mix de temperos é opcional, mas é inegável que eles fazem a diferença entre um kibe vegetariano bom um outro gostoso, saboroso, com aroma mais próximo ao das receitas tradicionais libanesas, por exemplo.

Não vale a desculpa “não tenho isso em casa” porque nas feiras livres de São Paulo e Brasil afora sempre tem aquela maravilhosa barraca de temperos vendidos em copinhos e colheradas. No Mercado Municipal do centro paulistano, com R$ 20,00 no bolso dá para comprar pelo menos uma dúzia de condimentos diferentes.

Voltando à massa, misture bem e, se necessário, acrescente 2 colheradas (sopa) de farinha de rosca para dar liga. Eu já usei farinha de trigo nessa receita, mas fica bom só se não for preciso muito para dar o ponto certo. Muita farinha de trigo pode fazer o kibe ficar muito úmido e “peguento” no interior, e não é isso que queremos. E que ponto é esse, afinal?

Basta pegar a massa e apertar com as mãos umedecidas em água fria para dar forma ao kibe. Se ficar bem bonitinho, compacto e sem despedaçar, bingo! Caso contrário, coloque mais uma colherada de farinha de rosca. Deixar os kibes numa assadeira dentro da geladeira antes de fritar ou assar também garante uma consistência melhor.

Para assar, basta deixar em forno médio (200º)  por cerca de 20 minutos, mas fique de olho porque esse tempo pode variar dependendo da potência do forno. Para fritar, é parecido com o quibe de carne de bicho morto – óleo quente, mas não muito para não ficar escuro por fora e com especto de mal cozido por dentro. E não esqueça a toalha de papel para absorver a gordura. Depois, é só pingar umas gotinhas de limão sobre seu kibe vegê e se deliciar!


Salada de beterraba com cebolinha
5 beterrabas médias cozidas
2 dentes de alho espremidos ou amassados
2 colheres (sopa) de coentro fresco picadinho
4 colheres (sopa) cebolinha fresca picadinha
4 colheres (chá) de azeite
4 colheres de (sopa) de vinagre
sal e pimenta a gosto
4 colheres (sopa) de salsinha fresca picada para decorar.

Mais simples, impossível: só juntar beterraba, temperos e levar à geladeira por uns 30 minutos. Decore com a salsinha e sirva.

Dica: Para tem acesso às beterrabas orgânicas, vale a pena guardar as folhas e talos também, que ficam saborosos em refogados, farofas, tortas e panquecas e sopas.  Vai ficar para outro post uma receitinha de aproveitamento de folhas e talos, certo?


Tabule
1/2 xícara de trigo de quibe (hidratado por 15 minutos e espremido, como já expliquei na receita do kibe vegê…)

Junte ao trigo 3/4 xícara (chá) de pepino japonês em cubinhos, 3/4 xícara (chá) de tomate sem sementes picado, 1/3 (xícara) de cebolinha verde picada, 3/4 xícara (chá) de salsinha fresca picada, 1/3 xícara (chá) de hortelã picada e 1/3 xícara (chá) de cebola picada.

Para temperar, coloque 1/2 colher (chá) de sal 1 1/2 colher (sopa) de suco de limão e 1 1/2 colher (sopa) de suco de azeite. E se quiser dar um toque especial, 1/3 xícara de nozes picadas.

Bom, além da comida, eu adoro música árabe e pensando em algo bem tradicional para compartilhar lembrei da cantora libanesa Fairouz e a popularíssima “Bahibak Ya Libnan”, quase um hino, uma declaraão de amor ao Líbano (aos curiosos, uma tradução em inglês está disponível no blog Arabic Song Lyrics and Translation).  E quem prefere um som mais “alternativo”, a pedida é Natacha Atlas, que mistura uma pegada mais tradicional a beats e outras esquisitices eletrônicas, como em Mon amie la rose.  

Bahibak Ya Libnan

Veja também:
Como preparar proteína de soja

3 comentários:

Obrigada pelo contato!